+55 19 | 2514-9900

Saiba o que é o Ciclo de Kolb e suas vantagens

Todos nós temos uma forma preferida de aprender. Uns vão mais na linha da teoria enquanto outros precisam colocar a mão na massa para absorver com mais facilidade algum ensinamento.

Com o treinamento corporativo não é diferente. Ou seja, é muito importante identificar as maneiras mais eficazes para passar conteúdo aos colaboradores, para acelerar a absorção de habilidades e competências no alcance dos melhores resultados. Já pensou em como seu programa de educação corporativa pode ser mais efetivo com a técnica certa?

Para tal, uma técnica que talvez você ainda não conheça é o Ciclo de Aprendizagem de Kolb. Neste artigo, vamos explicar em detalhes todas as etapas e porque é tão relevante como ferramenta para tutores, professores, designers instrucionais, facilitadores e até mesmo palestrantes.

Continue lendo para transformar seus treinamentos!

O que é o ciclo de aprendizagem de Kolb

No início dos anos 1970, o professor universitário de Harvard e teórico educacional norte-americano David Allen Kolb desenvolveu seu Inventário de Estilos de Aprendizagem (Learning Styles Inventory, ou LSI), a fim de detectar como as pessoas gostam de aprender, principalmente no contexto corporativo e de desenvolvimento de carreira.

Com seus estudos, Kolb descobriu que os adultos têm diferentes maneiras de aprender, que dependem de como percebem a realidade e de como a processam. Sua ideia foi levantar e compreender o papel da experiência da aprendizagem nos profissionais.

Os quatro estágios do ciclo

E como estamos falando de ciclo, o teórico fracionou esse processo em quatro etapas: experiência concreta (agir), observação reflexiva (refletir), conceitualização abstrata (conceitualizar) e experimentação ativa (aplicar).

Passar por cada um deles é uma maneira de pensar sobre o seu aprendizado:

Agir: experiência concreta
E se?

Ao acompanhar o conteúdo de algum treinamento, o aluno absorve novas vivências de forma tangível, executando atividades, experimentando e absorvendo tudo de forma mais emocional do que lógica. Aqui, a abordagem é muito mais na linha do sentimento do que da teoria e pragmatismo.

Refletir: observação reflexiva
Por que?

OK, o aluno recebeu aquele conteúdo e desenvolveu alguma atividade com base no que foi transmitido. Quais foram suas emoções atreladas a determinadas tarefas? Qual foi o seu comportamento na situação? E a sua relação com os demais treinandos?

Nesta etapa, esses tipos de reflexão são importantes para pontos de vista e desenvolver possibilidades e razões do porquê algo aconteceu de determinada maneira, ampliando seu quadro de entendimento.

Conceitualizar: conceitualização abstrata
Como?

Após refletir sobre a execução de tarefas e absorção de conteúdo, o aluno, estimulado pelo tutor/professor, deve ampliar sua visão e extrapolar o aprendizado em uma lição que possa valer para diferentes situações.

A ideia é que cada funcionário possa desenvolver hipóteses sobre o que foi passada em aula por meio do raciocínio lógico, de modo compreender como ser mais efetivo no dia a dia de trabalho.

Aplicar: experimentação ativa
O que?

Esta é a etapa de colocar as teorias e reflexões em prática. De acordo com Kolb, o aprendizado deve ser transferido para experimentações, formulando hipóteses que posam ser aplicadas em diversas situações.

No caso dos treinamentos, vale direcionar o conteúdo para possíveis realidades dos colaboradores, tanto dentro como fora da empresa – como no caso de reuniões com clientes ou prospects, por exemplo.

Está pronto para fazer um teste?

Quer saber mais sobre esse assunto? Fale com um de nossos especialistas!

Cristiano Franco
Diretor Comercial /MKT/
Leader Coach